Video e-mails: online video e e-mail marketing

Video e-mails: online video e e-mail marketing

Online Video
20 Julho, 2015 -
Tempo de leitura : 3 min

Cada vez mais as empresas adicionam o vídeo à sua estratégia de marketing e comunicação e, desta feita, é natural querer incluir vídeos em e-mails.

Para isso, uma das hipóteses é incluir uma imagem, no e-mail, com um link para onde o vídeo está incorporado, que tem sido a principal técnica utilizada, por ser simples e acessível. E nós explicamos como tirar partido dela.

 

A execução

Esta alternativa é fácil de executar, por se tratar de algo que já é comum fazer-se nos e-mails: usar hiperligações.

A ideia é integrar no conteúdo do email, uma imagem que relembre um vídeo (pode mesmo ser um player) e criar uma hiperligação para a página onde o vídeo está integrado.

Ao criar esta hiperligação tem de ter atenção em como e onde está a alojar o vídeo e ao público que assistirá. Deixe o vídeo disponível para ser reprodutivo em qualquer dispositivo.

 

Codificação e alojamento

Ao utilizar, para alojamento dos seus conteúdos, uma Online Video Platform (OVP) profissional, tem a oportunidade de ter o trabalho da codificação do vídeo facilitado.

Sem preocupações os seus visitantes poderão assistir ao vídeo em qualquer dispositivo.

Também não é aconselhável que a hiperligação remeta o seu visitante para um vídeo no YouTube.

Usufrua do facto de ser cliente de uma OVP e leve o seu subscritor para uma página de destino no seu website, onde o vídeo está alojado.

 

Página de destino

Apesar do objetivo da página de destino ser apresentar o vídeo, aproveite-a e apresentem uma descrição completa, informações extra, imagens , call-to-actions e tudo o que poder transformar a visita de um subscritor numa conversão ou venda.

 

Análise das estatísticas

Ao procurar o serviço de gestão de e-mails e a OVP, certifique-se que terá acesso livre às estatísticas completas: veja as taxas de abertura, click through, as visualizações de vídeo e os seus pormenores. Se possível, procure também, que sejam disponibilizadas as taxas de conversões graças às visualizações do vídeo e do e-mail.

 

Independentemente do serviço por que optar, teste no máximo de dispositivos possíveis, de softwares distintos: computador, portátil, smartphone, tablet, iPhone, iPad, sistema Android e iOS, diferentes browsers, etc, para que não haja falhas.

 

Para os e-mail com vídeo ainda existe a opção mais recente de incluir o vídeo diretamente no e-mail, graças à evolução do HTML5 na reprodução de vídeo e sem os anexar. No entanto, esta opção ainda deve ser evitada, pois nem todas as plataformas  de e-mail e browsers estão preparadas.

O que acontece para esta reprodução ser possível sem anexar é um download progressivo quando o espetador clica no play.

Mas, para já e para que tudo corre bem, aconselhamos a primeira opção, para e-mails de sucesso.