S-commerce: as redes sociais e o e-commerce

S-commerce: as redes sociais e o e-commerce

17 Julho, 2015 -
Tempo de leitura : 2 min

As redes sociais como o Facebook e o Twitter, têm tentado criar nas suas plataformas funcionalidades para e-commerce, com o objetivo de conseguirem mais receita a partir dos anúncios de publicidade.

Mais recentemente, “buy buttons”, páginas de produto e outras funcionalidades de e-commerce foram adicionadas a determinadas redes sociais. Por esse motivos, reunimos algumas vantagens e funcionalidades de cada uma delas.

 

FACEBOOK

O Facebook inaugurou o ano passado o buy button. O botão “click-to-buy” é criado pelo Shopify, uma empresa de e-commerce.

Esta rede social é prática para apresentar anúncios, facilita a compra permitindo digitar o cartão de crédito diretamente na plataforma e, claro, impulsiona a comunicação com os consumidores.

Graças à segmentação e força do Facebook, as marcar elegem-na como indispensável.

 

TWITTER

Tal como o Facebook, o Twitter inaugurou o ano passado, em Setembro, o Buy Button e tem páginas de produto como pequenas páginas de e-commerce.

Com esta funcionalidade, o Twitter pretende que os utilizadores comecem a procurar informações em conversas sociais na plataforma, antes de decidirem comprar algo.

 

INSTAGRAM

No início do mês de Junho esta rede social adicionou para facilidade das marcas, os botões de compra. Essa funcionalidade das marcas liga os anúncios a sites onde possam fazer compras, tornando-a numa rede social de outro para marcas de moda e luxo.

 

O lançamento dos anúncios no Instagram tem sido lento, mas a rede social tem acesso ao mesmo tipo de segmentação que os comerciantes do Facebook têm e permite analisar, gerir e medir as campanhas.

 

PINTEREST

O Pinterest tem, também, botões que permitem comprar através da plataforma, para que as marcas percebam de que forma o seu conteúdo influencia as vendas.

Na sua grande maioria (80%), mulheres, e por isso as marcas com mais sucesso nesta rede social sejam de beleza, moda ou vestuário. Por outro lado, marcas de desporto ou mais viradas para o público masculino não têm tanto sucesso. No entanto, os utilizadores podem procurar diretamente por tipo de produto e preços, compará-los e ver as suas imagens.

 

YOUTUBE

O atual grande objetivo desta rede social é fazer com que os utilizadores deixem de passar à frente dos anúncios que apresentam essa possibilidade e que façam a compra, clicando no botão.

 

Esse botão leva o público até ao website com os produtos do anúncio e onde os utilizadores podem comprar.

O vídeo já provou a sua importância e a demostração de produtos ou tutoriais são muito interativos e poderão levar o espetador a fazer algo.