Apps: o novo mobile marketing

Apps: o novo mobile marketing

Marketing
14 Julho, 2015 -
Tempo de leitura : 2 min

Como os consumidores estão, eles próprios, cada vez mais mobile-friendly, as marcas não têm outro remédio se não serem elas também.

A Marketo acabada de lançar um estudo que mostra os pontos onde as empresas se estão a focar este ano.

 

1. Apps: as novas landing pages

Segundo a Puro marketing e a Marketo, as apps são realmente o futoro.

Para muitas empresas, elas equivalem hoje ao seu website. Permitem partilhar as informações mais facilmente e notificar os utilizadores, chamando-lhes desta forma a atenção.

No futuro, a app será o novo website, focada para um objetivo específico e em alternativa ao formato responsivo (ou mesmo mobile-friendly) que oferece o browser.

 

2. PMEs com apps

As grandes empresas não são as únicas a investir neste formato. Na verdade, pequenas e médias empresas percebem agora a importância das aplicações.

As PMEs vão procurar alcançar o reconhecimento da marca através de apps que reconhecem a importância dos downloads que recebem e não a sua quantidade.

 

3. Os clientes

As empresas vão começar a usar os dispositivos para fornecer serviços aos clientes.

Os dispositivos móveis cada vez mais se tornam parte integrante da vida dos clientes que usam para aceder a serviços, informações e tomar decisões de compra.

O atendimento ao cliente via móvel tem certos benefícios e a procura de informação fica mais simples.

 

4. Automatização

A automação vai fazer parte das marcas ao fazer parte da aplicação.

Os dados sobre o que os consumidores fazem online ou nas redes sociais vai começar a pesar na app, que criará uma resposta à medida do utilizador.

A personalização da informação da app vai ser automática.

 

5. O produto

As aplicações vão em breve fazer parte do produto.

As aplicações não só se tornarão numa fonte de serviços complementares e numa ferramenta de comunicação, como serão cada vez mais um suporte para as empresas.

Mais cedo ou mais tarde, irão servir como plataforma principal do serviço, produto ou empresa ou serão mesmo o produto, ou parte dele. E não, não são apenas as grandes multinacionais que estão a optar por fazê-lo. Os pequenos negócios tradicionais vão, em breve, começar a perceber a importância e o poder de uma app.